2 Samuel 24

1. O SENHOR se enfureceu outra vez contra Israel e incitou Davi contra eles, dizendo: Vai, faze a contagem de Israel e Judá.

2. O rei disse a Joabe, comandante do exército, que estava com ele: Percorre todas as tribos de Israel, desde Dã até Berseba, e faze a contagem do povo, para que eu saiba o seu número.

3. Então Joabe disse ao rei: Que o SENHOR, teu Deus, multiplique este povo cem vezes mais, e o rei, meu senhor, o veja. Mas, por que o rei, meu senhor, teria prazer em fazer isso?

4. Mas a palavra do rei prevaleceu sobre a de Joabe e sobre a dos comandantes do exército. Então Joabe e os comandantes do exército saíram da presença do rei para fazer a contagem do povo de Israel.

5. Depois de atravessarem o Jordão, acamparam em Aroer, à direita da cidade que está no meio do vale de Gade, e foram em direção a Jazer.

6. Em seguida, foram a Gileade e à terra de Cades dos heteus. Dali foram a Da-Jaã e contornaram até Sidom.

7. Depois foram à fortaleza de Tiro e a todas as cidades dos heveus e dos cananeus; e saíram em Berseba, ao sul de Judá.

8. Assim, percorreram todo o país e voltaram a Jerusalém depois de nove meses e vinte dias.

9. Então Joabe apresentou ao rei a contagem do povo. E havia em Israel oitocentos mil homens de guerra que manuseavam espada, e quinhentos mil em Judá.

10. Mas, depois de ter feito a contagem do povo, Davi sentiu-se culpado e disse ao SENHOR: Pequei gravemente no que fiz, mas agora te peço que perdoes o pecado do teu servo, ó SENHOR; porque fui muito irresponsável no que fiz.

11. Na manhã seguinte, quando Davi se levantou, veio a palavra do SENHOR ao profeta Gade, vidente de Davi, dizendo:

12. Vai e diz a Davi: Assim diz o SENHOR: Três coisas te ofereço; escolhe qual delas queres que eu te faça.

13. Gade veio a Davi e lhe perguntou: Preferes sete anos de fome na tua terra, três meses de fuga de teus inimigos, enquanto te perseguirem, ou três dias de praga na tua terra? Decide agora, para que eu responda àquele que me enviou.

14. Davi respondeu a Gade: Estou angustiado demais; mas caiamos nas mãos do SENHOR, porque muitas são as suas misericórdias; mas não quero cair nas mãos dos homens.

15. Então o SENHOR enviou a praga sobre Israel, desde a manhã até o tempo determinado; e morreram setenta mil homens do povo, desde Dã até Berseba.

16. E, quando o anjo estendeu a mão sobre Jerusalém, para a destruir, o SENHOR arrependeu-se daquele castigo e disse ao anjo que fazia a destruição entre o povo: Basta! Retira agora a tua mão. Naquele momento, o anjo do SENHOR estava junto à eira de Araúna, o jebuseu.

17. Quando Davi viu o anjo matando o povo, falou ao SENHOR: Eu pequei e agi irresponsavelmente, mas estas ovelhas nada fizeram. Castiga a mim e à descendência de meu pai.

18. Naquele mesmo dia, Gade veio falar com Davi e lhe disse: Sobe, levanta um altar ao SENHOR na eira de Araúna, o jebuseu.

19. Então Davi subiu conforme a palavra de Gade, como o SENHOR havia ordenado.

20. Quando Araúna viu que o rei e os seus soldados vinham ao seu encontro, saiu e prostrou-se diante do rei com o rosto em terra.

21. Araúna perguntou: Por que vem o rei, meu senhor, ao seu servo? Respondeu Davi: Para comprar a tua eira a fim de edificar nela um altar ao SENHOR, para que cesse a praga contra o povo.

22. Então Araúna disse a Davi: Tome e ofereça o rei, meu senhor, o que bem lhe parecer. Aqui estão os bois para o holocausto, o debulhador e os jugos dos bois para lenha.

23. Araúna te oferece tudo isto, ó rei. E Araúna prosseguiu: O SENHOR, teu Deus, se agrade de ti.

24. Mas o rei disse a Araúna: Não! Quero comprar pelo seu valor, porque não oferecerei ao SENHOR, meu Deus, holocaustos que não me custem nada. Davi comprou a eira e os bois por cinquenta siclos de prata.

25. E edificou ali um altar ao SENHOR e ofereceu holocaustos e ofertas pacíficas. Assim o SENHOR se tornou favorável para com a terra, e aquela praga cessou sobre Israel.