Ester 9

1. No décimo terceiro dia do décimo segundo mês, o mês de adar, quando a ordem do rei e o seu decreto entrariam em vigor, e os inimigos dos judeus esperavam vencê-los, aconteceu o contrário: os judeus venceram os que os odiavam.

2. Os judeus se ajuntaram nas suas cidades, em todas as províncias do rei Xerxes, para erguer a mão contra aqueles que procuravam a sua destruição. E ninguém conseguia resistir-lhes, pois todos os povos tinham medo deles.

3. E todos os príncipes das províncias, os sátrapas, os governadores e os administradores dos negócios do rei ajudavam os judeus, porque o medo que tinham de Mardoqueu tinha-se apossado deles.

4. Mardoqueu tinha grande influência no palácio real; a sua fama se espalhou por todas as províncias, e ele foi se tornando cada vez mais poderoso.

5. Os judeus feriram todos os seus inimigos a golpes de espada, matando-os e eliminando-os, e fizeram o que quiseram com os que os odiavam.

6. E os judeus mataram e eliminaram quinhentos homens na cidadela de Susã.

7. Também mataram Parsandata, Dalfom, Aspata,

8. Porata, Adalia, Aridata,

9. Farmasta, Arisai, Aridai e Vaisata,

10. os dez filhos de Hamã, filho de Hamedata, o inimigo dos judeus. Mas não colocaram a mão nos seus bens.

11. Naquele mesmo dia, veio ao conhecimento do rei o número dos mortos na cidadela de Susã.

12. E o rei disse à rainha Ester: Os judeus mataram e eliminaram quinhentos homens e os dez filhos de Hamã na cidadela de Susã. Que terão feito nas demais províncias do rei? Agora, qual é a tua petição? Serás atendida. Qual é o teu desejo? Ele te será concedido.

13. Ester respondeu: Se for do agrado do rei, que os judeus de Susã tenham permissão para fazer também amanhã conforme o decreto de hoje, e que os dez filhos de Hamã sejam pendurados na forca.

14. Então o rei ordenou que assim se fizesse. Foi publicado um edito em Susã, e os dez filhos de Hamã foram pendurados na forca.

15. Os judeus de Susã ajuntaram-se também no décimo quarto dia do mês de adar, e mataram trezentos homens em Susã. Mas não colocaram as mãos nos bens deles.

16. Da mesma forma, os outros judeus nas províncias do rei se reuniram para se defender e se livrar dos seus inimigos. E mataram setenta e cinco mil dos que os odiavam, mas não colocaram a mão nos seus bens.

17. Isso aconteceu no décimo terceiro dia do mês de adar, e no décimo quarto descansaram e fizeram dele um dia de banquetes e de alegria.

18. Mas os judeus que estavam em Susã se ajuntaram no décimo terceiro e no décimo quarto dias e descansaram no décimo quinto dia fazendo dele um dia de banquetes e de alegria.

19. Por isso, os judeus que vivem nas vilas e povoados fazem do décimo quarto dia do mês de adar um dia de alegria, de banquetes e de festas, em que mandam presentes uns aos outros.

20. Mardoqueu escreveu essas coisas e enviou cartas a todos os judeus de todas as províncias do rei Xerxes, tanto as próximas como as distantes,

21. ordenando-lhes que todos os anos guardassem o décimo quarto e o décimo quinto dias do mês de adar

22. como os dias em que os judeus se livraram dos seus inimigos, e o mês em que a tristeza foi transformada em alegria, e o pranto em dia de festa. Deveriam comemorá-los como dias de banquetes e de alegria, em que mandariam presentes uns aos outros e dariam ofertas aos pobres.

23. E os judeus se comprometeram a continuar fazendo o que tinham começado e de acordo com o que Mardoqueu lhes tinha ordenado por escrito.

24. Pois Hamã, filho de Hamedata, descendente de Agague, o inimigo de todos os judeus, tinha tramado eliminar os judeus e tinha lançado o pur, isto é, a sorte, para os aniquilar e eliminar.

25. Mas, quando tomou conhecimento disso, o rei ordenou por escrito que o plano perverso de Hamã contra os judeus recaísse sobre sua própria cabeça, e que ele e seus filhos fossem pendurados na forca.

26. Por isso, aqueles dias foram chamados Purim, segundo a palavra pur. Portanto, por causa de tudo o que estava escrito naquela carta, do que tinham visto e do que lhes havia acontecido,

27. os judeus concordaram e se comprometeram, por si, por sua descendência e por todos os que se tornassem judeus, a não deixarem de guardar esses dois dias todos os anos, na forma prescrita e na data certa.

28. Esses dias seriam lembrados e guardados em cada família, em cada geração, em todas as províncias e cidades. Esses dias de Purim não seriam revogados entre os judeus, e os seus descendentes jamais se esqueceriam deles.

29. Então a rainha Ester, filha de Abiail, e o judeu Mardoqueu confirmaram por escrito esta segunda carta a respeito de Purim, com toda a autoridade.

30. E enviaram cartas a todos os judeus das cento e vinte e sete províncias do reino de Xerxes, desejando-lhes paz e segurança,

31. e confirmando esses dias de Purim nas suas datas determinadas, conforme o judeu Mardoqueu e a rainha Ester lhes tinham ordenado, e conforme o que eles mesmos tinham estabelecido para si e para seus descendentes, acrescentando ainda orientações a respeito de tempos de jejum e de lamentação.

32. A ordem de Ester confirmou esses regulamentos para o Purim; e isso foi registrado nos registros.