Jó 10

1. Minha vida é um tédio; extravasarei a minha queixa, falarei na minha amargura.

2. Direi a Deus: Não me condenes. Mostra-me por que estás em disputa comigo.

3. Sentes prazer em me oprimir, em desprezar a obra das tuas mãos e em favorecer o plano dos ímpios?

4. Tens tu olhos de carne? Vês tu como vê o homem?

5. Os teus dias são como o de um frágil ser humano? Os teus anos se passam como os anos de um homem?

6. Buscas informações sobre a minha maldade e averiguas o meu pecado,

7. mesmo sabendo que não sou ímpio e que ninguém me pode livrar da tua mão?

8. Foram as tuas mãos que me fizeram e me deram forma. E agora te voltas para me destruir?

9. Lembra-te de que do barro me formaste! Agora queres devolver-me ao pó?

10. Não me derramaste como leite e não me coalhaste como queijo?

11. De pele e carne me revestiste, de ossos e nervos me teceste.

12. Tens-me concedido vida e misericórdia, e a tua providência tem conservado o meu espírito.

13. Contudo, ocultaste estas coisas no teu coração; bem sei que este foi o teu plano.

14. Se eu peco, tu me observas e não me inocentas da minha maldade.

15. Se for culpado, ai de mim! Mesmo se for justo, não poderei levantar a cabeça, pois estou envergonhado e olho para o meu sofrimento.

16. Se a minha cabeça se exaltar, tu me caças como a um leão feroz; de novo ages com poder contra mim.

17. Tu trazes novas testemunhas contra mim e aumentas a tua ira; males e lutas me assolam.

18. Por que me tiraste do ventre? Ah! se eu tivesse morrido e olho algum me tivesse visto!

19. Seria como se eu nunca tivesse existido; e do ventre teria sido levado para a sepultura.

20. Não é curta a minha vida? Para, deixa-me, para que eu me alegre pelo menos por um pouco;

21. antes que eu seja levado para o lugar de onde não voltarei, para a terra da escuridão e das densas trevas,

22. terra de trevas densas como a própria escuridão, terra da sombra terrível e do caos, onde a própria luz é como a escuridão.