Jó 14

1. O homem, nascido da mulher, tem vida breve e cheia de inquietações.

2. Como a flor, ele nasce e murcha; como a sombra, é fugaz e não permanece.

3. É para esse homem que voltas os teus olhos? E me fazes entrar em juízo contigo?

4. Quem tirará pureza do que é impuro? Ninguém.

5. Tu lhe estabeleceste limites, além deles ele não poderá passar, pois seus dias estão determinados, e os seus meses foram contados por ti.

6. Portanto, desvia dele o teu rosto, para que ele descanse e, como o assalariado, se alegre na sua vida.

7. Pois para uma árvore há esperança; mesmo quando cortada, volta a brotar, e os seus brotos não deixam de existir.

8. Ainda que a sua raiz apodreça na terra, e o seu tronco morra no pó,

9. ela brotará ao cheiro das águas, e lançará ramos como uma planta nova.

10. O homem, porém, morre e se desfaz; sim, o homem entrega o espírito, e então onde se encontra?

11. Como as águas de um lago se evaporam, e um rio se esgota e seca,

12. assim o homem se deita e não se levanta; não acordará nem será despertado de seu sono, até que não haja mais céu.

13. Ah! Se tu me escondesses no Sheol, e me ocultasses até que a tua ira passe; se me determinasses um tempo, e te lembrasses de mim!

14. Quando o homem morre, por acaso voltará a viver? Eu esperarei todos os dias da minha luta até que eu seja libertado.

15. Tu me chamarás, e eu te responderei; pois ansiarás pela obra de tuas mãos.

16. Então contarás os meus passos; mas não ficarás vigiando o meu pecado;

17. a minha transgressão estará selada num saco, e ocultarás a minha maldade.

18. Mas, na verdade, assim como a montanha desmorona e se desfaz, e a rocha sai do lugar;

19. assim como as águas desgastam as pedras; e as enchentes arrastam o solo, tu acabas com a esperança do homem.

20. Prevaleces contra ele para sempre, e ele se vai; mudas o seu semblante, e o despedes.

21. Os seus filhos recebem honras, sem que ele saiba; são humilhados, sem que ele perceba.

22. Apenas sente as dores do próprio corpo e por si mesmo lamenta.