Salmos 71

1. SENHOR, em ti me refugio; que eu nunca seja envergonhado.

2. Livra-me pela tua justiça e resgata-me; inclina os ouvidos para mim e salva-me.

3. Sê tu a rocha de refúgio para onde eu sempre possa ir; ordena que eu seja salvo, pois tu és minha rocha e minha fortaleza.

4. Meu Deus, livra-me da mão do ímpio, do poder do homem injusto e cruel.

5. Pois tu és minha esperança, SENHOR Deus; tu és minha confiança desde a minha mocidade.

6. Tenho me apoiado em ti desde que nasci; tu és aquele que me tirou do ventre materno. Eu sempre te louvarei.

7. Sou um testemunho para muitos, pois tu és meu refúgio forte.

8. Minha boca se enche do teu louvor e da tua glória continuamente.

9. Não me rejeites na minha velhice; não me desampares, quando minhas forças se forem.

10. Porque meus inimigos falam contra mim, e os que me espreitam conspiram contra mim,

11. dizendo: Deus o desamparou; persegui-o e prendei-o, pois ninguém o livrará.

12. Ó Deus, não te afastes de mim; meu Deus, socorre-me depressa!

13. Sejam envergonhados e destruídos os meus adversários; cubram-se de vergonha e humilhação aqueles que procuram a minha ruína.

14. Mas eu esperarei continuamente e te louvarei cada vez mais.

15. Minha boca falará todo o dia da tua justiça e das tuas obras de salvação, que são incontáveis.

16. Virei na força do SENHOR Deus; proclamarei tua justiça, a tua somente.

17. Ó Deus, tu me ensinaste desde a minha mocidade, e até aqui tenho anunciado tuas maravilhas.

18. Agora, que estou velho e de cabelos brancos, não me desampares, ó Deus, até que eu tenha anunciado tua força a esta geração, e teu poder, às gerações do futuro.

19. Ó Deus, tua justiça atinge os altos céus; tu tens feito grandes coisas, ó Deus! Quem é semelhante a ti?

20. Tu, que me fizeste passar por muitas e árduas tribulações, de novo me restituirás a vida e de novo me tirarás dos abismos da terra.

21. Tu me engrandecerás e me consolarás novamente.

22. Eu também te louvarei ao som do saltério, pela tua fidelidade, ó meu Deus; eu te cantarei ao som da harpa, ó Santo de Israel.

23. Meus lábios, assim como a minha vida, que remiste, exultarão quando eu cantar teus louvores.

24. Minha língua também falará da tua justiça o dia todo; pois aqueles que procuram minha ruína estão envergonhados e humilhados.