Provérbios 6

1. Meu filho, se ficaste como fiador do teu próximo, se te empenhaste por um estranho,

2. foste enganado pelos teus lábios; estás preso pelas palavras da tua boca.

3. Agora, meu filho, age assim e livra-te, pois já caíste nas mãos do teu próximo; vai, humilha-te e insiste com o teu próximo;

4. não dês sono aos teus olhos, nem descanso às tuas pálpebras;

5. livra-te como a gazela da mão do caçador, como a ave do laço armado.

6. Preguiçoso, vai ter com a formiga, observa os seus caminhos e sê sábio.

7. Ela, mesmo não tendo chefe, nem superintendente, nem governante,

8. faz a provisão do seu mantimento no verão e ajunta o seu alimento no tempo da colheita.

9. Preguiçoso, até quando ficarás deitado? Quando despertarás do teu sono?

10. Um pouco para dormir, um pouco para cochilar, um pouco para descansar de braços cruzados.

11. A tua pobreza te sobrevirá como um ladrão, e a tua necessidade, como um assaltante.

12. O perverso, o homem mau, anda com a perversidade na boca,

13. pisca os olhos, faz sinais com os pés e acena com os dedos.

14. Seu coração está cheio de maldade, maquina o mal o tempo todo, semeia inimizade.

15. Por isso, sua destruição virá de repente; será destruído de uma hora para outra, sem chance de cura.

16. Seis coisas o SENHOR detesta, sim, sete ele abomina:

17. olhos arrogantes, língua mentirosa e mãos que derramam sangue inocente;

18. coração que faz planos perversos, pés que se apressam a praticar o mal;

19. testemunha falsa que profere mentiras e o que semeia inimizade entre irmãos.

20. Meu filho, guarda o mandamento de teu pai e não abandones a instrução de tua mãe;

21. prende-os sempre perto do teu coração e pendura-os no pescoço.

22. Quando caminhares, isso te guiará; quando deitares, te guardará; quando acordares, falará contigo.

23. Pois o mandamento é uma lâmpada, e a instrução, uma luz; e as repreensões da disciplina são o caminho da vida,

24. para te guardarem da mulher má, e da sedução da língua da mulher adúltera.

25. Não cobices no coração a sua beleza, nem te deixes levar pelos seus olhares.

26. Porque o preço da prostituta é apenas um bocado de pão, mas a adúltera anda à caça da própria vida do homem.

27. Pode alguém colocar fogo no peito sem queimar a roupa?

28. Pode andar sobre brasas sem queimar os pés?

29. Assim acontecerá com quem se deitar com a mulher do próximo; quem a tocar não ficará sem castigo.

30. O ladrão não é desprezado, mesmo quando furta para saciar a fome?

31. E, se for apanhado, pagará sete vezes o que roubou, mesmo que seja com todos os bens de sua casa.

32. O que adultera com uma mulher não tem entendimento; quem age assim destrói a si mesmo.

33. Sofrerá ferimentos e vexame, e sua humilhação nunca será esquecida;

34. porque o ciúme enfurece o marido, e ele não terá compaixão no dia da vingança.

35. Não aceitará compensação alguma, e não se acalmará, mesmo que lhe ofereçam muitos presentes.