Isaías 13

1. Esta é a mensagem que Isaías, filho de Amoz, recebeu em visão acerca da Babilônia.

2. Levantai uma bandeira sobre o monte árido; levantai a voz para eles; acenai-lhes com a mão, para que entrem pelas portas dos príncipes.

3. Eu mesmo dei ordens aos meus consagrados; sim, já chamei os meus valentes para executarem a minha ira, os que exultam com orgulho .

4. Há um tumulto, como o de uma multidão enorme sobre os montes! Um vozerio de reinos, de nações se reunindo! O SENHOR dos Exércitos passa em revista o exército para a guerra.

5. Eles vêm de uma terra distante, das extremidades do céu; o SENHOR e as armas da sua indignação, para destruir toda aquela terra.

6. Chorai, porque o dia do SENHOR está perto! Virá como destruição do Todo-poderoso.

7. Pelo que todas as mãos se enfraquecerão, e o coração de todos os homens se derreterá.

8. Ficarão desanimados; dores e aflições tomarão conta deles; sofrerão como a mulher no parto; olharão assustados uns para os outros; ficarão com o rosto vermelho.

9. E já vem o dia do SENHOR, dia horrível, com furor e ira ardente, para destruir a terra e dela exterminar os seus pecadores.

10. As estrelas do céu e as suas constelações não deixarão brilhar a sua luz. O sol escurecerá ao nascer, e a lua não fará resplandecer a sua luz.

11. Punirei o mundo por sua maldade, e os ímpios, pelo seu pecado; acabarei com a arrogância dos orgulhosos e abaterei a soberba dos cruéis.

12. Farei os homens mais preciosos do que o ouro puro; sim, mais do que o ouro fino de Ofir.

13. Portanto, farei estremecer o céu, e a terra se moverá do seu lugar, por causa do furor do SENHOR dos Exércitos e por causa do dia da sua ira ardente.

14. E, como a corça perseguida, como a ovelha que ninguém recolhe, assim cada um voltará para o seu povo, e cada um fugirá para a sua terra.

15. Todo o que for encontrado será traspassado; e todo o que for apanhado, cairá pela espada.

16. E seus pequeninos serão despedaçados diante dos seus olhos; suas casas serão saqueadas, e suas mulheres, violentadas.

17. Suscitarei contra eles os medos, que não farão caso da prata, nem terão prazer no ouro.

18. E os seus arcos despedaçarão os jovens; não terão dó do que saiu do ventre; os seus olhos não pouparão as crianças.

19. Babilônia, a joia dos reinos, o esplendor e o orgulho dos babilônios, ficará como Sodoma e Gomorra, quando Deus as destruiu.

20. Nunca mais será habitada, ninguém morará nela por muitas gerações; nem o árabe armará ali a sua tenda, nem os pastores levarão os seus rebanhos para descansar ali.

21. Mas as feras do deserto repousarão naquele lugar, e as suas casas se encherão de cães selvagens; e ali as avestruzes habitarão e os bodes selvagens pularão.

22. As hienas uivarão nos seus fortes, e os chacais, nos seus palácios luxuosos; o seu tempo está bem perto, e os seus dias não se prolongarão.