Isaías 32

1. Atenção, um rei reinará com justiça, e príncipes governarão com retidão.

2. Cada um servirá de abrigo contra o vento e de refúgio contra a tempestade; servirá de ribeiros de águas em lugares secos e de sombra de uma grande rocha em terra sedenta.

3. Os olhos dos que veem não se fecharão, e os ouvidos dos que ouvem escutarão.

4. O coração dos imprudentes terá entendimento, e a língua dos gagos estará pronta para falar com clareza.

5. Nunca mais se chamará o tolo de nobre, nem mais se dirá que o ganancioso é generoso.

6. Pois o tolo fala tolices, e o seu coração trama o mal. Ele comete impiedade e mente contra o SENHOR; deixa o faminto com fome e impede o sedento de beber.

7. Também as artimanhas do fraudulento são más; ele faz planos maldosos, para destruir os humildes com palavras falsas, mesmo quando o pobre pede o que é justo.

8. Mas o nobre planeja coisas nobres; ele permanecerá na sua nobreza.

9. Levantai-vos e ouvi a minha voz, ó mulheres despreocupadas; e vós, filhas protegidas, prestai atenção às minhas palavras.

10. Mulheres que estais tão seguras, em pouco mais de um ano vos preocupareis, pois a colheita de uvas falhará, e não haverá ceifa.

11. Tremei, mulheres despreocupadas e preocupai-vos, vós que estais tão seguras; arrancai a roupa, despi-vos e vesti panos de saco.

12. Batendo no peito, chorai pelos campos agradáveis e pela vinha frutífera;

13. pela terra do meu povo, que produz espinheiros e sarças, e por todas as casas de alegria na cidade de júbilo.

14. Porque o palácio será abandonado, a cidade populosa ficará deserta, e o monte e a torre da guarda servirão de cavernas perpétuas, para alegria dos asnos monteses e para pasto dos rebanhos,

15. até que se derrame sobre nós o Espírito lá do alto, e o deserto se torne em campo fértil, e este seja conhecido como um bosque.

16. Então o juízo habitará no deserto, e a justiça morará no campo fértil.

17. E o fruto da justiça será paz, e o efeito da justiça será sossego e segurança para sempre.

18. O meu povo habitará em morada de paz, em moradas bem seguras, em lugares silenciosos, de descanso,

19. mesmo que haja saraiva quando cair o bosque, e a cidade seja inteiramente arrasada.

20. Felizes sois vós, que semeais próximo a todas as águas, que deixais soltos o boi e o jumento.