Jeremias 8

1. Naquele tempo, diz o SENHOR, tirarão das suas sepulturas os ossos dos reis de Judá, e os ossos dos seus príncipes, e os ossos dos sacerdotes, e os ossos dos profetas, e os ossos dos habitantes de Jerusalém;

2. e serão expostos ao sol, à lua e a todos os astros do céu, a quem eles amaram, serviram e seguiram, a quem buscaram e adoraram. Não serão recolhidos nem sepultados; serão como esterco sobre o chão.

3. E todos os sobreviventes deste povo mau, de todos os lugares para onde os expulsei, preferirão a morte em vez da vida, diz o SENHOR dos Exércitos.

4. Dize-lhes mais: Assim diz o SENHOR: Será que os homens cairão e não se levantarão? Eles se desviarão e não voltarão?

5. Por que este povo de Jerusalém se desvia com uma rebeldia constante? Persiste no engano, recusa-se a voltar.

6. Eu escutei e ouvi; não falam o que é correto; não há ninguém que se arrependa da sua maldade, dizendo: Que fiz eu? Cada um se desvia para o seu próprio caminho, como um cavalo que arremete com ímpeto na batalha.

7. Até a cegonha no céu conhece seus tempos determinados; e a rolinha, a andorinha e o tordo observam o tempo da sua migração; mas o meu povo não conhece as regras do SENHOR.

8. Como, pois, dizeis: Somos sábios, temos a lei do SENHOR, se a pena mentirosa dos escribas a converteu em mentira?

9. Os sábios são envergonhados, espantados e presos; rejeitaram a palavra do SENHOR. Que sabedoria é esta que eles têm?

10. Portanto, darei suas mulheres a outros, e os seus campos, aos conquistadores; porque desde o menor até o maior, cada um deles se dedica à ganância. Desde o profeta até o sacerdote, todos lançam mão da falsidade.

11. E curam superficialmente a ferida da filha do meu povo, dizendo: Paz, paz! Mas não há paz.

12. Por acaso se envergonharam por terem cometido abominação? Não, de maneira alguma; nem mesmo sabem o que é envergonhar-se. Portanto, cairão entre os que caem; quando eu os castigar, tropeçarão, diz o SENHOR.

13. Eu tomarei as suas colheitas, diz o SENHOR, mas já não há uvas na videira, nem figos na figueira; até as folhas estão caídas, e até mesmo o que lhes dei foi tirado deles.

14. Por que ainda estamos sentados? Reuni-vos. Vamos para as cidades fortificadas para morrer ali; pois o SENHOR, nosso Deus, nos condenou à morte e nos deu água envenenada para beber; porque pecamos contra o SENHOR.

15. Esperávamos a paz, mas não veio bem algum; e o tempo de cura, mas veio apenas o terror.

16. Ouve-se desde Dã o resfolegar dos seus cavalos; a terra toda estremece ao som dos rinchos dos seus ginetes; porque vêm e devoram a terra e tudo o que nela existe, a cidade e os seus habitantes.

17. Estou enviando entre vós serpentes, víboras que ninguém consegue encantar; e elas vos morderão, diz o SENHOR.

18. Não há consolo para a minha dor! Meu coração desfalece dentro de mim!

19. Este é o clamor da filha do meu povo, que se estende por toda a terra: O SENHOR não está em Sião? O seu rei não está ali? Por que me provocaram à ira com suas imagens, com ídolos estrangeiros?

20. O tempo da colheita passou, findou o verão, e nós não estamos salvos.

21. Estou aflito por causa da aflição da filha do meu povo; ando de luto; o espanto apoderou-se de mim.

22. Por acaso não há bálsamo em Gileade? Nem médico? Por que não houve cura para a filha do meu povo?