Lamentações 2

1. Como o Senhor cobriu a cidade de Sião de nuvens na sua indignação! Derrubou a glória de Israel do céu à terra e não se lembrou do estrado de seus pés no dia da sua ira.

2. O Senhor devorou todas as moradas de Jacó sem piedade, derrubou as fortalezas da cidade de Judá no seu furor; lançou por terra e desonrou o reino e os seus príncipes.

3. No furor da sua ira destruiu todo o poder de Israel; retirou a sua mão direita da frente do inimigo. Queimou Jacó como fogo ardente que destrói tudo em redor.

4. Armou seu arco como inimigo, firmou a mão direita como adversário e matou todos os de boa aparência; derramou sua indignação como fogo contra a tenda da cidade de Sião.

5. O Senhor se tornou como inimigo; devorou Israel, devorou todos os seus palácios, destruiu suas fortalezas e multiplicou o pranto e a lamentação na cidade de Judá.

6. Demoliu com violência a sua tenda, como se fosse uma horta; destruiu o lugar da sua comunidade; o SENHOR entregou ao esquecimento as assembleias solenes e o sábado em Sião, e rejeitou com desprezo o rei e o sacerdote na indignação da sua ira.

7. O Senhor desprezou o seu altar, detestou o seu santuário, entregou os muros dos seus palácios na mão do inimigo; deram-se gritos no templo do SENHOR, como em dia de reunião solene.

8. O SENHOR decidiu destruir o muro da cidade de Sião; estendeu a corda, não impediu sua mão de fazer estragos; fez gemer o antemuro e o muro; juntos eles se enfraquecem.

9. Suas portas ficaram soterradas, ele destruiu e despedaçou suas trancas; seu rei e seus príncipes foram levados para outras nações. Não há lei, nem os seus profetas recebem visão alguma da parte do SENHOR.

10. Os chefes da cidade de Sião estão sentados no chão, calados; jogaram pó na cabeça; vestiram-se de panos de saco; as virgens de Jerusalém curvaram a cabeça até o chão.

11. Os meus olhos já se consumiram com lágrimas; estou perturbado; meu coração se derrama de tristeza por causa da destruição do meu povo, porque os meninos e as crianças de peito desfalecem pelas ruas da cidade.

12. Quando desfalecem como os feridos pelas ruas da cidade, ou quando deixam escapar a vida no colo de suas mães, perguntam a elas: Onde estão o trigo e o vinho?

13. Que testemunho te darei, a que te compararei, ó cidade de Jerusalém? A quem te assemelharei para te consolar, ó cidade de Sião? Pois a tua ferida é tão grande como o mar; quem poderá te curar?

14. Os teus profetas te anunciaram visões falsas e insensatas e não denunciaram o teu pecado para evitar o teu cativeiro; mas anunciaram profecias inúteis e palavras que te levaram ao exílio.

15. Todos os que passam pelo caminho batem palmas contra ti; eles zombam e balançam a cabeça contra a cidade de Jerusalém, dizendo: É esta a cidade que chamavam de perfeição da beleza, de alegria de toda a terra?

16. Todos os teus inimigos caçoam de ti, zombam e rangem os dentes; eles dizem: Nós a devoramos. Este é o dia que esperávamos, e agora chegou e estamos vendo isso.

17. O SENHOR realizou o seu propósito; cumpriu a sua palavra, que ordenou desde os dias da antiguidade; derrubou sem piedade; fez com que o inimigo se alegrasse por tua causa, exaltou o poder dos teus adversários.

18. Clama ao Senhor, ó povo de Sião; corram as tuas lágrimas como um ribeiro, de dia e de noite; não te dês repouso, nem descansem os teus olhos.

19. Levanta-te, clama de noite, no princípio das vigias; derrama o coração como águas diante do Senhor! Levanta tuas mãos a ele pela vida de teus filhinhos, que desfalecem de fome nas esquinas das ruas.

20. Ó SENHOR, vê e considera a quem tens tratado assim! Acaso as mulheres comerão o fruto de si mesmas, as crianças que trazem nos braços? O sacerdote e o profeta serão mortos no santuário do Senhor?

21. O jovem e o idoso caem por terra nas ruas; as minhas moças e os meus moços caíram à espada; tu os mataste no dia da tua ira; massacraste-os sem misericórdia.

22. Convocaste os meus terrores de toda parte, como no dia de assembleia solene; ninguém escapou nem sobreviveu no dia da ira do SENHOR; o meu inimigo consumiu aqueles que eu trouxe nas mãos e criei.