Zacarias 11

1. Ó Líbano, abre tuas portas para que o fogo devore teus cedros.

2. Ó cipreste, geme porque o cedro caiu, porque os mais excelentes são destruídos; ó carvalhos de Basã, gemei porque a densa floresta está sendo derrubada.

3. Ouvi o gemido dos pastores porque a sua glória está sendo destruída! Urro de leões fortes! Porque foi destruída a arrogância do Jordão.

4. Assim diz o SENHOR, meu Deus: Cuida das ovelhas destinadas para a matança,

5. cujos compradores as matam sem serem punidos, e cujos vendedores dizem: Louvado seja o SENHOR, porque me enriqueci; e os seus pastores não têm piedade delas.

6. Eu não terei mais piedade dos moradores desta terra, diz o SENHOR; mas entregarei os homens, cada um na mão do seu próximo e na mão do seu rei; eles ferirão a terra, e eu não os livrarei da mão deles.

7. Cuidei das ovelhas destinadas para a matança, as pobres ovelhas do rebanho. E tomei para mim duas varas: a uma chamei Graça e à outra chamei União; e eu cuidei das ovelhas.

8. Destruí os três pastores num só mês; porque me cansei deles, e eles também se cansaram de mim.

9. Então eu disse: Não cuidarei mais de vós; o que morrer, morra, e o que for destruído, seja destruído; e os que restarem, coma cada um a carne do seu próximo.

10. Tomei a minha vara Graça e a quebrei, para desfazer a aliança firmada com todos os povos.

11. Ela foi anulada naquele dia; assim os pobres do rebanho, que me respeitavam, reconheceram que isso era palavra do SENHOR.

12. Eu lhes disse: Se parece bem aos vossos olhos, dai-me o que me é devido; caso contrário, deixai-o. Pesaram para meu salário trinta moedas de prata.

13. O SENHOR me disse: Lança isso ao oleiro, esse belo preço pelo qual fui avaliado por eles. E peguei as trinta moedas de prata e as lancei ao oleiro no templo do SENHOR.

14. Então quebrei a minha segunda vara, União, para romper a fraternidade entre Judá e Israel.

15. Então o SENHOR me disse: Toma ainda para ti os instrumentos de um pastor insensato.

16. Pois convocarei um pastor na terra que não cuidará das que estão morrendo, não procurará as perdidas, não curará a ferida, nem alimentará a sadia; mas comerá a carne das gordas e lhes arrancará as unhas.

17. Ai do pastor inútil, que abandona o rebanho! A espada lhe cairá sobre o braço e sobre o olho direito; o seu braço secará por inteiro, e o seu olho direito ficará completamente cego.