Lucas 2

1. Naqueles dias, saiu um decreto da parte de César Augusto para que o mundo inteiro fosse recenseado.

2. Esse primeiro recenseamento foi feito quando Quirino era governador da Síria.

3. Todos iam alistar-se, cada um na sua cidade.

4. E José, também, foi da cidade de Nazaré, na Galileia, à Cidade de Davi, chamada Belém, na Judeia, porque era da linhagem e da família de Davi,

5. para alistar-se com Maria, que estava grávida e comprometida com ele.

6. Enquanto estavam lá, chegou o tempo de ela dar à luz,

7. e ela teve seu filho primogênito; envolveu-o em panos e o colocou em uma manjedoura, pois não havia lugar para eles na hospedaria.

8. Naquela mesma região, havia pastores que estavam no campo, à noite, tomando conta do rebanho.

9. E um anjo do Senhor apareceu diante deles, e a glória do Senhor os cercou de resplendor; e ficaram com muito medo.

10. Mas o anjo lhes disse: Não temais, porque vos trago novas de grande alegria para todo o povo;

11. é que hoje, na Cidade de Davi, vos nasceu o Salvador, que é Cristo, o Senhor.

12. E este será o sinal para vós: achareis um menino envolto em panos, deitado em uma manjedoura.

13. Então, de repente, uma grande multidão do exército celestial apareceu junto ao anjo, louvando a Deus e dizendo:

14. Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens a quem ele ama.

15. E logo que os anjos se retiraram, indo para o céu, os pastores disseram uns aos outros: Vamos já até Belém para ver isso que aconteceu e que o Senhor nos revelou.

16. Foram, então, com toda pressa, e acharam Maria e José, e o menino deitado na manjedoura;

17. e, vendo-o, contaram a todos o que lhes havia sido dito sobre o menino;

18. e todos os que ouviam os pastores ficavam muito admirados.

19. Maria, porém, guardava todas essas coisas, meditando sobre elas no coração.

20. E os pastores voltaram glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham visto e ouvido, como lhes fora falado.

21. Quando se completaram os oito dias para o menino ser circuncidado, foi-lhe dado o nome de Jesus, como o anjo o havia chamado antes de ele ter sido gerado.

22. Terminados os dias da purificação deles, segundo a lei de Moisés, levaram-no a Jerusalém, para apresentá-lo ao Senhor,

23. conforme está escrito na lei do Senhor: Todo primogênito será consagrado ao Senhor,

24. e para oferecerem um sacrifício, segundo estabelecido na lei do Senhor: duas rolinhas ou dois pombinhos.

25. Havia em Jerusalém um homem chamado Simeão; ele era justo e temente a Deus, e esperava a consolação de Israel; e o Espírito Santo estava sobre ele.

26. E o Espírito Santo lhe havia revelado que ele não morreria antes de ver o Cristo da parte do Senhor.

27. Assim, movido pelo Espírito foi ao templo; e quando os pais levaram o menino Jesus, para fazer por ele conforme ordena a lei,

28. Simeão o tomou nos braços e louvou a Deus, dizendo:

29. Senhor, agora podes deixar ir em paz o teu servo, segundo a tua palavra;

30. pois os meus olhos já viram a tua salvação,

31. a qual preparaste diante de todos os povos;

32. luz para revelação aos gentios, e para a glória do teu povo Israel.

33. E o pai e a mãe do menino se admiravam das coisas ditas sobre ele.

34. E Simeão os abençoou e disse a Maria, mãe do menino: Este menino está posto para queda e para elevação de muitos em Israel, e como um sinal de contradição.

35. Assim, os pensamentos de muitos corações serão conhecidos. Quanto a ti, uma espada atravessará a tua alma!

36. Estava lá também a profetisa Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser. Ela, já de idade avançada, tinha vivido com o marido sete anos depois do casamento,

37. permanecendo viúva por quase oitenta e quatro anos. Ela não se afastava do templo, cultuando a Deus dia e noite com jejuns e orações.

38. Tendo chegado naquele momento, deu graças a Deus e falou a respeito do menino a todos os que esperavam a redenção de Jerusalém.

39. Assim que cumpriram tudo o que a lei do Senhor exigia, voltaram para a sua cidade, Nazaré, na Galileia.

40. E o menino crescia e se fortalecia, ficando cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava sobre ele.

41. Seus pais iam todos os anos a Jerusalém, para a festa da Páscoa.

42. Quando Jesus completou doze anos, eles subiram para Jerusalém, de acordo com o costume da festa;

43. e, passados os dias da festa, ao regressarem, o menino Jesus ficou em Jerusalém, sem que seus pais soubessem;

44. pensando que estivesse entre os companheiros de viagem, andaram o caminho de um dia, e passaram a procurá-lo entre os parentes e conhecidos;

45. como não o acharam, voltaram a Jerusalém em busca dele.

46. Três dias depois, eles o acharam no templo, sentado entre os doutores, ouvindo-os e fazendo perguntas.

47. E todos os que o ouviam ficavam admirados com sua inteligência e com suas respostas.

48. Quando o viram, ficaram maravilhados, e sua mãe lhe disse: Filho, por que fizeste isso conosco? Teu pai e eu estávamos te procurando muito ansiosos.

49. Ele lhes respondeu: Por que me procuráveis? Não sabíeis que eu devia estar na casa de meu Pai?

50. Mas eles não entenderam o que ele lhes disse.

51. E ele desceu com seus pais, indo para Nazaré, e obedecia a eles. E sua mãe guardava todas essas coisas no coração.

52. Jesus crescia em sabedoria, em estatura e em graça diante de Deus e dos homens.