João 12

1. Seis dias antes da Páscoa, Jesus foi para Betânia, onde estava Lázaro, a quem ressuscitara dos mortos.

2. Ofereceram-lhe ali um jantar. Marta servia, e Lázaro era um dos que estavam à mesa com ele.

3. Então Maria, tomando um frasco de bálsamo de nardo puro, de alto preço, ungiu os pés de Jesus e os enxugou com os cabelos. E a casa se encheu com o perfume do bálsamo.

4. Mas Judas Iscariotes, um dos discípulos, o que haveria de traí-lo, disse:

5. Por que este bálsamo não foi vendido por trezentos denários, e o dinheiro, dado aos pobres?

6. Ele disse isso não porque se preocupasse com os pobres, mas porque era ladrão. Como responsável pela bolsa de dinheiro, retirava do que nela se colocava.

7. Então Jesus respondeu: Deixa-a em paz; pois ela o guardou para o dia da preparação do meu corpo, para o meu sepultamento.

8. Pois sempre tereis os pobres convosco; mas a mim nem sempre tereis.

9. E quando souberam que Jesus estava ali, chegou um grande número de judeus, não só por causa de Jesus mas também para verem Lázaro, a quem ele ressuscitara dos mortos.

10. Então os principais sacerdotes decidiram matar também Lázaro;

11. pois, por causa dele, muitos abandonavam os judeus e criam em Jesus.

12. No dia seguinte, as grandes multidões que tinham ido à festa, ouvindo dizer que Jesus estava chegando a Jerusalém,

13. pegaram ramos de palmeiras e saíram ao seu encontro, clamando: Hosana! Bendito o que vem em nome do Senhor! Bendito o rei de Israel!

14. Jesus, conseguindo um jumentinho, montou-o, conforme está escrito:

15. Não temas, ó filha de Sião; o teu Rei vem montado sobre a cria de uma jumenta.

16. Os seus discípulos, porém, a princípio não entenderam isso. Mas quando Jesus foi glorificado, eles se lembraram de que essas coisas estavam escritas a respeito dele e assim lhe aconteceram.

17. A multidão que o acompanhava quando ele chamou Lázaro para fora do sepulcro e o ressuscitou dos mortos testemunhava essas coisas.

18. Por isso a multidão foi ao seu encontro; por ter ouvido que ele realizara aquele sinal.

19. Então os fariseus disseram uns aos outros: Vede que nada conseguistes! O mundo inteiro vai atrás dele!

20. Entre os que tinham subido à festa para adorar estavam alguns gregos.

21. Eles se dirigiram a Filipe, que era de Betsaida da Galileia, e pediram-lhe: Senhor, queremos ver Jesus.

22. Filipe foi dizê-lo a André, e os dois avisaram Jesus.

23. Jesus lhes respondeu: Chegou a hora de ser glorificado o Filho do homem.

24. Em verdade, em verdade vos digo: Se o grão de trigo não cair na terra e não morrer, ficará só; mas, se morrer, dará muito fruto.

25. Quem ama a sua vida irá perdê-la; e quem odeia a sua vida neste mundo irá preservá-la para a vida eterna.

26. Se alguém quiser me servir, siga-me; e onde eu estiver, lá também estará o meu servo. Se alguém me serve, o Pai o honrará.

27. Agora a minha alma está angustiada; e que direi? Pai, salva-me desta hora? Mas foi para isso que vim, para esta hora.

28. Pai, glorifica o teu nome! Então, veio uma voz do céu: Já o glorifiquei, e o glorificarei mais uma vez.

29. A multidão, que ali estava e a ouvira, dizia ter sido um trovão; outros diziam: Um anjo lhe falou.

30. Jesus respondeu: Esta voz não veio por minha causa, mas por causa de vós.

31. Chegou a hora do julgamento deste mundo, e o seu príncipe será expulso agora.

32. E eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a mim.

33. Ele dizia isso referindo-se ao modo pelo qual morreria.

34. A multidão lhe respondeu: Sabemos pela lei que o Cristo permanece para sempre. Como dizes ser necessário que o Filho do homem seja levantado? Quem é esse Filho do homem?

35. Jesus então lhes disse: A luz estará entre vós por mais algum tempo. Andai enquanto tendes a luz, para que as trevas não vos surpreendam; pois quem anda nas trevas não sabe para onde vai.

36. Crede na luz enquanto a tendes, para que vos torneis filhos da luz. Depois de falar essas coisas, Jesus retirou-se e ocultou-se deles.

37. Embora Jesus realizasse muitos sinais, eles não creram nele,

38. para que se cumprisse a palavra do profeta Isaías: Senhor, quem creu em nossa pregação, e a quem foi revelado o braço do Senhor?

39. Por isso não podiam crer, pois, como também disse Isaías:

40. Cegou-lhes os olhos e endureceu-lhes o coração, para que não vejam com os olhos nem entendam com o coração, e se convertam, e eu os cure.

41. Isaías disse isso porque viu a glória de Jesus e falou sobre ele.

42. Contudo, muitas autoridades creram nele; mas, por causa dos fariseus, não o confessavam, para não serem expulsos da sinagoga;

43. pois preferiam a glória dos homens à glória de Deus.

44. Então Jesus falou em alta voz: Quem crê em mim não crê apenas em mim, mas naquele que me enviou.

45. E quem me vê, vê aquele que me enviou.

46. Eu vim como luz ao mundo, para que todo aquele que crê em mim não permaneça nas trevas.

47. Se alguém ouvir as minhas palavras e não obedecer a elas, eu não o julgo; pois não vim para julgar o mundo, mas para salvá-lo.

48. Quem me rejeita, e não aceita as minhas palavras, já tem seu juiz: a palavra que tenho pregado, essa o julgará no último dia.

49. Pois não falei por mim mesmo; mas o Pai, que me enviou, ordenou-me o que dizer e o que falar.

50. E sei que o seu mandamento é vida eterna. Assim, o que eu falo é exatamente o que o Pai me ordenou.