Atos 23

1. Fixando os olhos no Sinédrio, Paulo disse: Irmãos, até o dia de hoje tenho andado diante de Deus com toda boa consciência.

2. Mas o sumo sacerdote Ananias ordenou aos que estavam junto dele que lhe batessem na boca.

3. Então Paulo lhe disse: Deus te ferirá, parede branqueada! Tu estás aí sentado para julgar-me segundo a lei, e contra a lei mandas que eu seja ferido?

4. Os que estavam ali, disseram: Insultas o sumo sacerdote de Deus?

5. Disse Paulo: Irmãos, eu não sabia que era o sumo sacerdote; porque está escrito: Não falarás mal do líder do teu povo.

6. Sabendo Paulo que uma parte deles era de saduceus e outra de fariseus, clamou no Sinédrio: Irmãos, sou fariseu, filho de fariseus; é por causa da esperança da ressurreição dos mortos que estou sendo julgado.

7. Ao dizer isso, surgiu uma contenda entre os fariseus e saduceus, e o grupo se dividiu.

8. Porque os saduceus afirmam que não há ressurreição nem anjos nem espírito. Mas os fariseus aceitam todas essas coisas.

9. Houve, então, muita gritaria. Alguns escribas da parte dos fariseus levantaram-se e começaram a discutir, dizendo: Não achamos nenhum mal neste homem. Quem sabe não foi algum espírito ou um anjo que falou com ele?

10. E intensificando-se a discussão, temendo que Paulo fosse despedaçado por eles, o comandante mandou que os soldados descessem e o tirassem do meio deles, para levá-lo para a fortaleza.

11. Na noite seguinte, o Senhor lhe apareceu e disse: Sê corajoso! Como deste testemunho de mim em Jerusalém, assim é necessário que o dês também em Roma.

12. Quando já era dia, os judeus se reuniram e juraram sob pena de maldição que não comeriam nem beberiam enquanto não matassem Paulo.

13. Eram mais de quarenta os que fizeram essa conspiração.

14. E foram até os principais sacerdotes e líderes religiosos e disseram: Fizemos um juramento sob pena de maldição de não provarmos coisa alguma até que matemos Paulo.

15. Agora, pois, juntamente com o Sinédrio, solicitai ao comandante que o mande descer perante vós como se fôsseis investigar com maior precisão a sua causa; estamos prontos para matá-lo antes que ele chegue.

16. Mas o sobrinho de Paulo, filho de sua irmã, ficou sabendo da cilada, foi à fortaleza, entrou e avisou Paulo.

17. Então Paulo, chamando um dos centuriões, disse: Leva este moço ao comandante, porque ele tem algo a lhe comunicar.

18. Ele o tomou, levou-o ao comandante e disse: O prisioneiro Paulo me chamou e pediu que trouxesse à tua presença este moço, que tem alguma coisa para dizer-te.

19. O comandante tomou-o pela mão e, levando-o à parte, perguntou-lhe: O que tens para dizer-me?

20. Ele disse: Os judeus combinaram solicitar-te que amanhã mandes Paulo descer ao Sinédrio, fingindo ter de investigar com maior precisão o caso dele.

21. Não te deixes convencer por eles. Porque há mais de quarenta deles à espreita contra Paulo; eles juraram sob pena de maldição não comer nem beber até que o matem. E agora estão preparados, aguardando a tua palavra de confirmação.

22. Então o comandante mandou o moço sair, ordenando que a ninguém dissesse que lhe havia contado aquilo.

23. E, chamando dois centuriões, disse: Preparai para a terceira hora da noite duzentos soldados de infantaria, setenta de cavalaria e duzentos lanceiros para irem até Cesareia.

24. E ordenou que preparassem montarias para Paulo, a fim de o levarem a salvo até o governador Félix.

25. E escreveu-lhe uma carta nestes termos:

26. Cláudio Lísias, ao excelentíssimo governador Félix, saudações.

27. Este homem foi preso pelos judeus e estava a ponto de ser morto por eles quando interferi com a tropa e o livrei, ao saber que era cidadão romano.

28. Querendo saber o motivo da acusação, levei-o ao Sinédrio deles.

29. Achei que ele estava sendo acusado por questões da lei deles, mas que não havia nada digno de morte ou de prisão.

30. Quando fui informado de que havia uma conspiração contra o homem, logo o enviei a ti, intimando também aos acusadores que apresentem o caso contra ele diante de ti.

31. E tomando a Paulo, conforme lhes fora ordenado, os soldados o levaram de noite a Antipátride.

32. Mas, no dia seguinte, deixaram os da cavalaria seguir com ele e voltaram à fortaleza.

33. E estes, logo que chegaram a Cesareia, entregaram a carta ao governador e apresentaram-lhe Paulo.

34. Tendo lido a carta, o governador perguntou de que província ele era. Ao saber que Paulo era da Cilícia,

35. disse: Vou ouvir-te quando os teus acusadores chegarem também. E mandou que ficasse preso no palácio de Herodes.