Deuteronômio 2

1. Depois disso, demos meia-volta e fomos para o deserto, pelo caminho do mar Vermelho, como o SENHOR tinha dito, e durante muitos dias rodeamos o monte Seir.

2. Então o SENHOR me disse:

3. Chega de rodear este monte! Ide para o norte.

4. Ordena ao povo: Passareis pelo território de vossos irmãos, os descendentes de Esaú, que habitam em Seir; e eles terão medo de vós. Mas cuidado!

5. Não luteis contra eles, pois da terra deles não vos darei nem sequer o que a planta de um pé pisar; porque dei o monte Seir a Esaú como herança.

6. Comprareis deles, com dinheiro, comida para sustento e também água para beberdes.

7. Pois o SENHOR, teu Deus, tem te abençoado em tudo o que tens feito; ele conhece tua caminhada por este grande deserto; o SENHOR, teu Deus, esteve contigo nestes quarenta anos. Nada te faltou!

8. Assim, passamos por nossos irmãos, os descendentes de Esaú, que habitam em Seir, indo pelo caminho da Arabá de Elate e de Eziom-Geber. Depois nos viramos e passamos pelo caminho do deserto de Moabe.

9. Então o SENHOR me disse: Não ataques os de Moabe e não entres em guerra contra eles, pois não te darei propriedade alguma na terra deles; porque dei Ar aos descendentes de Ló como herança.

10. (Antes haviam habitado nela os emins, povo grande e numeroso, alto como os anaqueus.

11. Eles também são considerados refains como os anaqueus; mas os moabitas os chamam de emins.

12. Antigamente, os horeus também habitavam em Seir, mas os descendentes de Esaú os expulsaram e aniquilaram; e habitaram no lugar deles, assim como Israel fez à terra da sua herança, que o SENHOR lhe deu.)

13. Levantai agora e atravessai o ribeiro de Zerede. Atravessamos, então, o ribeiro de Zerede.

14. O tempo que caminhamos, desde Cades-Barneia até atravessarmos o ribeiro de Zerede, foram trinta e oito anos, até que toda aquela geração dos homens de guerra desapareceu do acampamento, como o SENHOR lhes havia jurado.

15. A mão do SENHOR também agiu contra eles para os destruir do acampamento, até exterminá-los.

16. Aconteceu que, depois de morrerem todos os homens de guerra dentre o povo,

17. o SENHOR me disse:

18. Hoje passarás por Ar, a fronteira de Moabe;

19. e, quando chegares defronte dos amonitas, não os ataques e não lutes contra eles, pois nada te darei como herança da terra dos amonitas; porque a dei aos descendentes de Ló como herança.

20. (Também esta é considerada terra de refains; antigamente, os refains habitavam nela, mas os amonitas os chamam de zanzumitas,

21. povo grande e numeroso, alto como os anaqueus; mas o SENHOR os destruiu diante dos amonitas, os quais, depois de expulsá-los, habitaram no lugar deles;

22. assim como fez pelos descendentes de Esaú, que habitam em Seir, quando destruiu os horeus diante deles; e, depois de expulsá-los, os descendentes de Esaú habitaram no lugar deles até hoje.

23. E os caftoritas, que vieram de Caftor, destruíram os aveus, que habitavam em povoados até Gaza, e habitaram no lugar deles.)

24. Levantai, parti e atravessai o ribeiro de Arnom. Entreguei nas tuas mãos Siom, o amorreu, rei de Hesbom, e sua terra; começa a conquistá-la, saindo à guerra contra eles.

25. Neste dia, começarei a colocar terror e medo de ti nos povos que estão debaixo de todo o céu; ao ouvir falar de ti, tremerão e se angustiarão por tua causa.

26. Então, do deserto de Quedemote, mandei mensageiros com palavras de paz a Siom, rei de Hesbom, dizendo:

27. Deixa-me passar pela tua terra. Irei somente pela estrada, sem me desviar nem para a direita nem para a esquerda.

28. Por dinheiro me venderás comida para meu sustento e me darás água para que eu beba. Apenas deixa-me passar a pé,

29. assim como fizeram os descendentes de Esaú, que habitam em Seir, e os moabitas, que habitam em Ar, até que eu atravesse o Jordão para a terra que o SENHOR, nosso Deus, nos dá.

30. Mas Siom, rei de Hesbom, não quis nos deixar passar por sua terra, porque o SENHOR teu Deus tornou seu espírito teimoso e lhe endureceu o coração, para entregá-lo nas tuas mãos, como hoje se vê.

31. O SENHOR então me disse: Agora comecei a entregar-te Siom e sua terra; começa a conquistá-la, para possuíres sua terra como herança.

32. Então Siom veio ao nosso encontro com todo o seu povo, para combater em Jaza;

33. e o SENHOR, nosso Deus, o entregou a nós; e o ferimos, juntamente com seus filhos e todo o seu povo.

34. Naquele tempo, conquistamos todas as suas cidades, e matamos todos, homens, mulheres e crianças, não deixando sobrevivente algum;

35. levamos apenas o gado para nós, juntamente com o despojo das cidades que havíamos conquistado.

36. Desde Aroer, que está na margem do vale do Arnom, e desde a cidade que está no vale, até Gileade, não houve cidade alta o bastante para escapar de nós; o SENHOR, nosso Deus, nos entregou tudo.

37. Somente à terra dos amonitas não chegastes; nem a parte alguma da margem do ribeiro de Jaboque, nem a cidade alguma da região montanhosa, nem a coisa alguma que o SENHOR, nosso Deus, havia proibido.