Apocalipse 18

1. Depois dessas coisas, vi descer do céu outro anjo que tinha grande autoridade, e a terra foi iluminada com a sua glória.

2. E ele clamou em alta voz: Caiu, caiu a grande Babilônia; e tornou-se morada de demônios, lugar de todo espírito imundo e de toda ave impura e abominável.

3. Porque todas as nações têm bebido do vinho da ira da sua prostituição; os reis da terra se prostituíram com ela, e os comerciantes da terra se enriqueceram à custa de seu luxo excessivo.

4. Ouvi outra voz do céu dizer: Saí dela, povo meu, para que não sejais participantes dos seus pecados e para que não incorrais nas suas pragas.

5. Porque seus pecados se acumularam até o céu, e Deus se lembrou das maldades dela.

6. Retribuí-lhe de acordo com o que ela vos deu, em dobro, conforme as suas obras; dai-lhe bebida em dobro no cálice em que ela vos deu de beber.

7. Causai-lhe tanto tormento e tristeza quanto a glória e o luxo que ela buscou para si, pois no coração ela diz: Estou assentada como rainha, não sou viúva e de modo algum passarei por tristeza.

8. Por isso, no mesmo dia virão as suas pragas: a morte, o pranto e a fome; ela será destruída no fogo; pois o Senhor Deus que a julga é forte.

9. Os reis da terra, que com ela se prostituíram e viveram em luxo, chorarão e prantearão por ela, quando virem a fumaça do seu incêndio.

10. Ficarão de longe, com medo do tormento dela e dirão: Ai! ai da grande cidade, Babilônia, a cidade forte! Pois numa só hora veio o teu julgamento.

11. Os comerciantes da terra chorarão e lamentarão por ela, pois ninguém mais compra as suas mercadorias;

12. mercadorias como ouro, prata, pedras preciosas e pérolas, linho fino, púrpura, seda e tecido vermelho, e toda espécie de madeira aromática e todo objeto de marfim, de madeira muito preciosa, de bronze, de ferro e de mármore,

13. e canela, especiarias, perfume, mirra e incenso, vinho, azeite, flor de farinha e trigo, bois, ovelhas, cavalos e carros, escravos e até almas humanas.

14. Também desaparecerão os frutos que a tua alma cobiçava; todas as coisas delicadas e suntuosas desaparecerão e nunca mais serão encontradas.

15. Os que vendem essas coisas e se enriqueceram com elas ficarão de longe, com medo do seu tormento, chorando, lamentando-se

16. e dizendo: Ai! ai da grande cidade, que estava vestida de linho fino, de púrpura, de tecido vermelho e adornada com ouro, pedras preciosas e pérolas! Pois numa só hora foram destruídas tantas riquezas.

17. Todos os pilotos, todos os que navegam para qualquer porto, todos os marinheiros e todos os que trabalham no mar ficarão de longe

18. e, olhando para a fumaça do seu incêndio, clamarão: Que cidade é semelhante a esta grande cidade?

19. E jogarão pó sobre a cabeça e clamarão, chorando, lamentando-se e dizendo: Ai! ai da grande cidade! Por causa de suas riquezas todos os que possuíam navios no mar se enriqueceram! E em apenas uma hora foi destruída.

20. Exulta sobre ela, ó céu! Exultai também vós, santos e apóstolos e profetas; porque Deus julgou a vossa causa contra ela.

21. Um forte anjo levantou uma pedra, do tamanho de uma grande pedra de moinho, e jogou-a no mar, dizendo: A grande cidade da Babilônia será jogada com a mesma força e nunca mais será achada.

22. Em ti não se ouvirá mais o som de harpistas, de músicos, de flautistas e de trombeteiros; e nenhum artífice de arte alguma se encontrará mais em ti; e em ti não se ouvirá mais o ruído de moinho.

23. A luz da candeia não mais brilhará em ti, e a voz do noivo e da noiva não se ouvirá mais em ti. Pois teus comerciantes eram os nobres da terra, e todas as nações foram enganadas pelas tuas feitiçarias.

24. Nela foi encontrado o sangue dos profetas, dos santos e de todos os que foram mortos na terra.