Juízes 21

1. Os homens de Israel haviam feito o seguinte juramento em Mispá: Nenhum de nós dará a filha como mulher a um benjamita.

2. Então o povo foi para Betel e ficou ali sentado diante de Deus até a tarde. E todos levantaram a voz e choraram amargamente,

3. dizendo: Ó SENHOR, Deus de Israel, por que aconteceu isso em Israel? Por que hoje falta uma tribo em Israel?

4. No dia seguinte, o povo levantou-se de manhã cedo, edificou ali um altar e ofereceu holocaustos e ofertas pacíficas.

5. Então os israelitas perguntaram: Quem de todas as tribos de Israel não subiu à assembleia diante do SENHOR? Pois haviam feito um juramento solene de que certamente seria morto quem não subisse ao SENHOR em Mispá.

6. Os israelitas tiveram pena de seus irmãos benjamitas e disseram: Hoje foi eliminada uma tribo de Israel.

7. Como poderemos conseguir mulheres para os que restaram entre eles, visto que juramos pelo SENHOR que não lhes daríamos nenhuma de nossas filhas como mulher?

8. Então disseram: Quem entre as tribos de Israel não subiu ao SENHOR em Mispá? E souberam que ninguém de Jabes-Gileade havia ido ao acampamento para a assembleia.

9. Quando contaram o povo, perceberam que nenhum dos habitantes de Jabes-Gileade estava ali.

10. Então a comunidade enviou para lá doze mil homens dos mais valentes e lhes ordenou: Ide e matai ao fio da espada os habitantes de Jabes-Gileade, incluindo mulheres e crianças.

11. Mas devereis fazer assim: Matareis todos os homens, e também toda mulher que já tiver conhecido algum homem intimamente.

12. E encontraram entre os moradores de Jabes-Gileade quatrocentas moças virgens, que nunca haviam conhecido um homem intimamente, e as levaram ao acampamento em Siló, em Canaã.

13. Então a comunidade toda enviou mensageiros aos benjamitas, que estavam na rocha de Rimom, e lhes ofereceram a paz.

14. Então os benjamitas voltaram, e os israelitas lhes deram as mulheres de Jabes-Gileade que haviam sido poupadas. Entretanto, ainda não havia mulheres suficientes.

15. E o povo sentiu pena de Benjamim, pois o SENHOR havia aberto uma rachadura entre as tribos de Israel.

16. Então os anciãos da comunidade disseram: Como poderemos conseguir mulheres para os que restaram, visto que as mulheres de Benjamim foram mortas?

17. E disseram mais: É preciso que sobrevivam herdeiros de Benjamim, para que não seja eliminada uma tribo de Israel.

18. Mas não podemos lhes dar nossas filhas como mulheres. (Pois os israelitas haviam feito o seguinte juramento: Maldito seja todo aquele que der mulher aos benjamitas.)

19. E prosseguiram: Todo ano se realiza a festa do SENHOR em Siló, ao norte de Betel, a leste da estrada que sobe de Betel para Siquém, ao sul de Lebona.

20. Então eles ordenaram aos benjamitas: Ide, escondei-vos nas vinhas

21. e ficai atentos. Quando as moças de Siló saírem para dançar em rodas, cada um sairá e raptará uma mulher das moças de Siló. Depois ireis para a terra de Benjamim.

22. Quando os pais ou os irmãos delas vierem se queixar a nós, diremos: Tende piedade deles, pois não tomamos mulheres para todos eles nesta guerra. E não sois culpados, pois não lhes destes vossas filhas.

23. E assim fizeram os benjamitas: cada um tomou para si uma mulher, raptando-a entre as que estavam dançando. Depois voltaram à sua herança, reedificaram as cidades e se estabeleceram nelas.

24. Nessa época, os israelitas saíram dali, e cada um voltou para a sua tribo e para a sua família. Assim, cada um voltou para a sua herança.

25. Naqueles dias não havia rei em Israel; cada um fazia o que lhe parecia certo.