1 Samuel 25

1. Samuel faleceu, e todo o Israel se ajuntou e chorou por ele. Eles o sepultaram na cidade onde morava, em Ramá. Davi se levantou e desceu ao deserto de Parã.

2. Havia um homem em Maom que tinha propriedades no Carmelo. Esse homem era muito rico, pois tinha três mil ovelhas e mil cabras; e estava tosquiando suas ovelhas no Carmelo.

3. Esse homem se chamava Nabal, e o nome de sua mulher era Abigail. A mulher era sensata e bonita; porém o homem era grosseiro e mau; ele era da família de Calebe.

4. Davi ficou sabendo no deserto que Nabal tosquiava suas ovelhas,

5. e enviou-lhe dez rapazes, dizendo: Subi ao Carmelo, ide a Nabal e o cumprimentai em meu nome.

6. Assim lhe direis: Paz seja contigo e com a tua família, e com tudo o que tens.

7. Fiquei sabendo que tens tosquiadores. Os teus pastores estiveram conosco; nada lhes fizemos de mal, e eles não sentiram falta de nada em todo o tempo que estiveram no Carmelo.

8. Pergunta aos teus servos, e eles te dirão. Que os meus servos sejam bem recebidos, porque viemos em dia festivo. Dá a teus servos e a Davi, teu filho, aquilo que puderes.

9. Os servos de Davi foram a Nabal e falaram todas as palavras em nome de Davi, e se calaram.

10. E Nabal respondeu aos servos de Davi: Quem é Davi? Quem é o filho de Jessé? Hoje em dia, há muitos servos que fogem do seu senhor.

11. Tomaria eu o meu pão, a minha água e a carne do animal que abati para meus tosquiadores, e os daria a homens que não sei de onde vêm?

12. Então os servos de Davi voltaram e contaram-lhe todas essas palavras.

13. Então Davi disse aos homens que o seguiam: Ponha cada um a espada na cintura. E assim eles fizeram, e Davi também pôs a sua. Cerca de quatrocentos homens foram com Davi, e duzentos ficaram com a bagagem.

14. Mas um dos servos disse a Abigail, mulher de Nabal: Davi enviou mensageiros do deserto com cumprimentos ao nosso senhor, e ele os destratou.

15. Entretanto, aqueles homens têm sido muito bons para nós; nunca fomos maltratados por eles, e nada nos desapareceu em todo o tempo em que convivemos com eles, quando estávamos no campo.

16. Eles nos serviram de proteção ao redor, tanto de dia como de noite, todos os dias que andamos com eles cuidando as ovelhas.

17. Pensa agora e vê o que podes fazer, porque o mal já está determinado contra o nosso senhor e contra toda a sua família; e ele é tão genioso, que não há quem o possa convencer.

18. Então Abigail se apressou e pegou duzentos pães, dois recipientes de couro cheios de vinho, cinco ovelhas assadas, cinco medidas de trigo tostado, cem cachos de passas e duzentas pastas de figos secos e os pôs sobre jumentos.

19. E disse aos seus servos: Ide à frente e eu vos seguirei logo atrás. Porém não disse nada ao seu marido Nabal.

20. Quando ela ia descendo pela encosta do monte, montada num jumento, Davi e seus homens vinham na direção oposta; e ela os encontrou.

21. Davi tinha dito: De nada adiantou ter guardado todos os seus bens no deserto, para que nada se perdesse de tudo quanto lhe pertencia. Ele me devolveu o bem com o mal.

22. Assim Deus castigue Davi severamente, se eu deixar vivo até o amanhecer um só homem de todos os que pertencem a Nabal.

23. Quando Abigail viu Davi, ela desceu do jumento rapidamente e se prostrou com o rosto em terra diante de Davi;

24. e, prostrada a seus pés, lhe disse: Ah, senhor meu, caia sobre mim a culpa! Deixa a tua serva falar aos teus ouvidos e ouve as palavras da tua serva.

25. Meu senhor, eu te imploro que não faças caso desse homem genioso, Nabal; porque ele é como o seu nome. Nabal é o seu nome, e ele é insensato; mas eu, tua serva, não vi os servos que meu senhor enviou.

26. Agora, meu senhor, tão certo como vive o SENHOR, e tão certo como tu vives, foi o SENHOR que te impediu de derramar sangue e de te vingares com a tua própria mão; que os teus inimigos e os que procuram prejudicar o meu senhor sejam como Nabal.

27. Aceita agora este presente que tua serva trouxe ao meu senhor; seja ele dado aos servos que acompanham o meu senhor.

28. Perdoa o erro da tua serva, porque certamente o SENHOR estabelecerá uma casa real firme a meu senhor, pois meu senhor luta nas guerras do SENHOR; e nenhum mal se achará em ti em toda a tua vida.

29. Se alguém se levantar para te perseguir e para te matar, a vida de meu senhor será atada no feixe dos que vivem com o SENHOR, teu Deus; mas ele lançará para longe a vida dos teus inimigos, como se atira com uma funda.

30. Quando o SENHOR tiver feito para com o meu senhor conforme todo o bem que já tem dito de ti, e te houver estabelecido por príncipe sobre Israel,

31. então, meu senhor, não terás no coração essa tristeza nem esse remorso de teres derramado sangue sem causa, ou de haver-se vingado o meu senhor a si mesmo. E quando o SENHOR fizer bem ao meu senhor, lembra-te então da tua serva.

32. Então Davi disse a Abigail: Bendito seja o SENHOR, Deus de Israel, que hoje te enviou ao meu encontro!

33. E bendito seja o teu conselho, e bendita sejas tu, que hoje me impediste de derramar sangue e de vingar-me com minhas próprias mãos!

34. Tão certo como vive o SENHOR, Deus de Israel, que me impediu de te fazer mal, que se não tivesses te apressado e vindo ao meu encontro, ninguém que fosse de Nabal teria sobrevivido pela manhã, nem mesmo o mais jovem.

35. Então Davi aceitou da mão dela o que lhe havia trazido e lhe disse: Sobe em paz à tua casa; vê que te atendi e aceitei o teu pedido.

36. Quando Abigail voltou para Nabal, ele fazia um banquete em sua casa, como banquete de rei; e o coração de Nabal estava alegre, pois ele estava muito embriagado; por isso, ela não lhe contou nada daquilo, nem pouco nem muito, até o amanhecer.

37. Sucedeu que, pela manhã, quando Nabal já não estava mais sob o efeito do vinho, sua mulher lhe contou essas coisas, e ele teve um ataque do coração e ficou paralisado como uma pedra.

38. Passados uns dez dias, o SENHOR feriu Nabal, e ele morreu.

39. Quando Davi soube que Nabal havia morrido, disse: Bendito seja o SENHOR, que me vingou da afronta de Nabal e impediu que seu servo fizesse algum mal, punindo Nabal por causa de sua maldade. Depois, Davi enviou mensagem a Abigail, pedindo-lhe que se tornasse sua mulher.

40. Os servos de Davi foram a Abigail, no Carmelo, lhe disseram: Davi nos mandou buscar-te, para que sejas sua mulher.

41. Ela se levantou, se inclinou com o rosto em terra e disse: A tua serva servirá de criada para lavar os pés dos servos de meu senhor.

42. Então Abigail se apressou e, levantando-se, montou num jumento, e levando as cinco moças que a serviam, seguiu os mensageiros de Davi, que a recebeu por mulher.

43. Davi tomou também a Ainoã de Jezreel; e ambas foram suas mulheres.

44. Mas Saul tinha dado sua filha Mical, mulher de Davi, a Palti, filho de Laís, o qual era de Galim.